Arquivo para novembro, 2008

palmadas NÃO!

palmada1

.

Quem tem filhos sabe como é difícil manter-se sempre tranquila e segura em todos os momentos. Eu mesma já perdi a paciência várias vezes, e sempre, SEMPRE, estava exausta ao chegar neste ponto. Perceba, a exaustão gera descontrole, que por sua vez provoca ações impulsivas e, muitas vezes, equivocadas.
Nunca bati em minha filha, e mesmo assim o sentimento de culpa é inevitável ao falar num tom mais ríspido. Exigir a maturidade de um adulto a uma criança ou bebê é insano, e por melhor que sejam nossas intenções, devemos nos perguntar sempre: afinal, quem é a criança?
Gritar mais alto não é a melhor saída, bater não é solução. E os danos emocionais (e infelizmente, até físicos) são fatos, SIM, por mais que ouçamos “ah, mas eu apanhei e hoje em dia sou absolutamente normal”. A relação entre agressor e agredido se transforma, em maior ou menor grau.

PALMADAS NÃO!

Participe desta revolução!

.

Leia mais neste ótimo post da Flávia Penido, no blog Roda Bebedubem.

Anúncios

a atmosfera etílica contagia, sim!

Sim, porque dançar freneticamente na pista de dança não é inédito. Braços, pulinhos, sorrisos, rodopios, tudo isso é so cute, e a gente já tinha presenciado antes.

Mas assediar os menininhos na festa – abraços, beijos, ‘vem dançar!’… hohoho

(deve ter puxado ao pai, só pode!)

arco-íris

Já gosta da mamãe
Já gosta do papai
Não sabe tomar banho não

Já sabe tomar banho
Já quer ouvir histórias
Não sabe pôr sapato não

Já sabe pôr sapato
Já come até sozinho
Mas nunca escova os dentes não

Já escova bem os dentes
Já vai até na escola
Não sabe jogar bola não

Já sabe jogar bola
Já roda, roda, roda
Não sabe pular corda não

Já sabe pular corda
No colo quer carinho

.
.
.

Chegamos na terceira estrofe, com muita bagunça, roupa suja e um pouco de ajuda da mamãe e papai.

=)

.
(“Já Sabe”, de Sandra Peres e Paulo Tatit, do disco Canções de Brincar)
.

non ecziste!

< publicado em 30 de abril de 2008, no Freak Mothers >

 

.
Dora é a única do maternalzinho que ainda “anda” com aquelas bolsas enormes com firulas, típicas de bebês.
.
Tô penando pra achar uma mochilinha de rodinhas que não seja da tríade de quatro Barbie-Moranguinho-Princesas-HelloKitty.
.
Humpf.
.
.
.
.
.